#3 DOURO DA FOZ À NASCENTE - DOURO RIVER FROM MOUTH TO SOURCE



Este é um percurso que aproveita numa grande parte do seu trajeto aquela que é considerada uma das estradas mais prazerosas da Europa, a Nacional 222 que acompanha a margem sul do rio Douro. Optamos por sair da cidade do Porto, considerada por muitos um dos melhores destinos para uma curta escapadinha, cidade cheia de vida noturna, paisagens urbanas únicas, cultura própria e gastronomia de referência, (donde se destacam a Francesinha ou as Tripas à moda do Porto).

view of Oporto old town and Douro Mouth
Merece bem esta cidade uma ou duas noites de estada que serão poucas para tanto que ver e fazer. A estrada é na sua maior parte muito sinuosa, com vistas espetaculares e com razoáveis condições de piso; É mais uma para fazer com calma, disfrutando de toda a beleza principalmente a do Alto Douro Vinhateiro. Tanto de duas ou quatro rodas se disfruta, tantos são os locais de merecidas paragens para um café ou uma tapa, ou mesmo para ficar a dormir num ambiente de cinco estrelas, numa das muitas quintas vínicas da zona.


view of Oporto from Vila Nova de Gaia




Plano
  A melhor época será na primavera ou inícios do outono. Evitar dias muitos quentes no verão e, o inverno onde a paisagem, frio e chuva não ajudam. Cuidado a ter em curvas cegas e descidas íngremes, nomeadamente depois de São João da Pesqueira. Em agosto existe muito trânsito, principalmente aos domingos. Aconselhamos fazer este roteiro em dois dias.

  Percurso extremamente belo, exceto nos quilómetros iniciais! A nacional 222 é divinal, com troços muito bem delineados, curvas sensacionais e paisagens soberbas. Diversos miradouros sobretudo sobre o rio Douro, bastantes pontos com interesse, a começar nas próprias cidades do Porto, Régua ou Lamego, esta desviada do trajeto. Conte com um total de 6 a 7 horas montado (todo o trajeto).

  Na cidade do Porto: não perder um passeio pela Ribeira à noite com descida no funicular dos Guindais, vista ao Museu Soares dos Reis, Igreja S. Francisco, Palácio da Bolsa e Estação de S. Bento. Num outro lado da cidade, pode optar pelo Parque da Cidade, ou passeio pela marginal da Foz ou uma visita a Serralves e aos seus belos jardins. No outro lado do rio, o cais de Gaia e as suas famosas caves de Vinho do Porto que tem visitas guiadas. Pode também dar uma volta de helicóptero ou de barco Rabelo ou inclusive escalar a ponte da Arrábida. Não falta que fazer nesta grande cidade!

Pelo caminho destaca-se sobretudo a paisagem, sendo Lamego uma terra a visitar. Em Miranda do Douro, vale a pena descobrir um dos miradouros sobre as Arribas do rio, donde destacamos S. João das Arribas e fazer uma visita ao seu centro histórico e Sé Catedral.



Na Estrada

N222 - landscape of Oporto wine viniards
 Se desfrutou da movida do Porto na noite anterior, numa das muitas discotecas ou bares da zona dos Clérigos, não saia muito cedo, tem tempo de sobra para fazer este percurso; e se o fizer em dois dias, melhor!
Saia pela VCI (circular interna) e atravesse a ponte do Freixo, apanhando um pouco da A20 até à saída que indica C. Paiva – Avintes, Vá por aí. Entrou na N222, que neste inicio se chama Av. Vasco da Gama. A princípio a estrada é confusa, urbana com muito transito e cruzamentos; tente não se perder, contudo o objetivo é seguir até Castelo de Paiva e então a partir daí começar a desfrutar da verdadeira viagem. Desça então até perto do rio e acompanhe este mais ou menos perto, em direção a Este, passando por Cinfães, Caldas de Aregos, Resende, (onde na época deve saborear as famosas cerejas, ou as cavacas durante todo o ano).
 

Depois Lamego (fazendo um pequeno desvio pela N226 em São Gião, retomando depois a N222 pela N2). Pode também visitar a cidade da Régua, e inclusive comer aqui umas tapas num dos bares do cais da estação da CP.

#2 PELO PARQUE NACIONAL PENEDA-GERÊS (desde Guimarães)


 De Guimarães ao Gerês, com volta ao Parque Nacional da Peneda-Gerês.
Mais um percurso em bucólicas estradas secundárias que atravessam aquela que é para nós uma das maravilhas de Portugal, O Parque Nacional. Toda a zona está recheada de florestas e fauna autóctone, com uma biodiversidade imensa, onde, com alguma frequência, se observam águias, raposas, corças, esquilos, lobos e garranos. Há também inúmeros rios, albufeiras, frescas lagoas e cascatas; enfim zonas paradisíacas, onde se descansa ou se dá um mergulho ou então se disfruta de atividades locais, como caminhadas, passeios TT, escalada, BTT etc. A estrada é de montanha, com vistas espetaculares e precipícios, geralmente sinuosa e estreita, mas com razoáveis condições de piso; É mais uma rota para fazer com calma, disfrutando de toda a beleza e sossego circundantes, para qualquer tipo de moto, talvez desfrutando um pouco mais se a moto for do género trail ou big trail !

Plano

  Algum cuidado a ter em curvas cegas onde a qualquer momento podem aparecer animais ou obstáculos! Nada de entusiasmos. No inverno pode chover e haver condições de formação de gelo! Na zona da Portela do Homem, na época alta, paga-se uma pequena portagem. Devem respeitar ao máximo as regras ambientais do Parque. Em Agosto existe muito trânsito, principalmente aos domingos.

Percurso muito bonito, fundamentalmente em montanha, por estradas secundárias e estreitas. Diversos miradouros, albufeiras e pequenos e refrescantes rios, bastantes pontos espetaculares e com interesse. Guimarães é bem servida por comboio e pelas autoestradas A7 e A11. Conte com umas 4 a 5 horas montado.

Guimarães é a cidade-berço de Portugal, terra muito antiga, da condessa Mumadona e do nosso primeiro rei, D. Afonso Henriques, é uma cidade monumental, de gentes simpáticas e bairristas onde se come muito bem. Possui um soberbo e bem tratado Centro Histórico, cheio de “movida” à noite, principalmente aos fins de semanas. O seu Castelo, o Palácio dos Duques de Bragança e o museu Martins Sarmento merecem uma visita. Guimarães tem uma soberba agenda cultural e algumas festas tradicionais, como as Nicolinas, Gualterianas e Feira Afonsina (medieval).

Pelo caminho destacamos o velho castelo da Póvoa Lanhoso plantado lá no alto, a medieval Ponte do Porto, (onde existe uma esplêndida casa de turismo rural), a Pousada-convento de Santa Maria de Bouro, (hotel) e sobretudo as paisagens, sejam elas vistas dos pontos altos ou de cima da Barragem de Vilarinho das Furnas.

Na Estrada

 O roteiro começa em Guimarães, mas podia perfeitamente começar no Porto ou em Braga, já que em poucos quilómetros de Autoestrada nos colocamos em Guimarães. Sai-se desta cidade em direção à Povoa de Lanhoso pela N207-4 e virando depois no lugar de Ponte à esquerda para N309. Em Briteiros vira-se à direita para N 310. Depois já na N205 vira à direita na Rotunda do Pinheiro para N101, onde andará apenas umas curvas virando depois à esquerda novamente para a 205 e direção a Amares, Ponte do Porto. No lado de lá do rio Cávado apanhe a estrada N308 de Amares – Bouro – Gerês e vá atento porque em Santa Maria de Bouro, mesmo em frente à pousada terá de virar à esquerda para o CM 1248 e depois 1244 e M535-1. mapa/map 1 Guimaraes - Gerês (com volta no PNPG)

 
Não se perca, a ideia é subir sempre e assim dará com Santa Isabel do Monte a 901 metros de altitude! E depois descer, metendo num gancho à direita para a M535 (atenção aos garranos que frequentam muito esta zona). Vai até à N307, onde vira à direita, passa Covide e Campo do Gerês; um pouco antes deste, vire para M533 direção Gerês, conforme foto abaixo.

 Desça com cuidado essa estrada cénica com vistas para a Albufeira da Caniçada, e irá naturalmente ter à Vila do Gerês, terra de termas famosas. Pare um pouco aqui. Passe a vila para norte e suba sempre até portela do Homem, fronteira com a Galiza. Neste troço tem as partes mais bem preservadas do PNPG, com zonas de vegetação antiga e nostálgica e depois o Rio Homem, com as suas lagoas que, exceto no movimentado verão, merecem um bom mergulho. Se quiser gastar umas boas horas faça até lá acima uma caminhada a pé, encontrará as abandonadas Minas de Volfrâmio dos Carris, perpetuadas em livro por Rui C. Barbosa!
 
E entra em Espanha, pelo velho posto de fronteira, onde dará uma volta até entrar novamente em Portugal por Lindoso. (estradas OU-312 e OU-540). Este troço de Lindoso pelo Soajo e Entre-Ambos-os-Rios a Germil já foi feito ao contrário no percurso 1. Em alternativa, caso queira dar uma volta mais curta, pode, descendo da Portela do Homem novamente em direção ao Gerês cortar no estradão de terra, paralelo à Barragem de Vilarinho das Furnas, que vai ligar a Campo do Gerês; é um percurso muito bonito (cobram pequena portagem no Verão) (a amarelo no mapa da página 14 e na foto inicial deste roteiro).
Voltando a Germil continue no CM 1348 até um entroncamento onde vai tomar a esquerda em direção a Brufe. (CM1149) (Aqui existe um restaurante muito famoso e relativamente caro o “Abocanhado” que precisa de marcação prévia). Depois passa na mata da Albergaria e em cima da monumental barragem de Vilarinho das Furnas, observando para Este o lago e Oeste o precipício. Pouco depois encontra o entroncamento para a tal estrada de terra (a amarelo no mapa). Segue e passa Campo de Gerês e vira pela esquerda para a N533 que fez anteriormente e desce até à Vila do Gerês; ou segue para Covide descendo depois a São Bento e Entre Pontes para sair do Parque em direção a Braga.


Guimarães  tem muita oferta  principalmente no seu Centro Histórico, ou na Praça do Toural  Destaques: O Victor,  em S. João de Rei N205 se quiser comer um bom bacalhau  aconselha-se marcar  telf: 253 909 100 ou O Encontro em Campo Abades perto de Santa Isabel do Monte, muito muito bom e acessível, telf:253 378 124 (com estacionamento bom para motos

Por todo o caminho não falta oferta. Há hotéis, turismos rural, pensões, pousadas de luxo (Guimarães, Bouro e Caniçada) e diversos campings, alguns com bungalows (reservar) Os hotéis nas Termas do Gerês na sua maioria fecham na época baixa, assim como alguns campings na serra


Vidoeiro:

telf: 253 391 289 ,  Campo do Gerês (com bungalows)  telf.  253 351 005

Ermida telf:
 969 846 686